PRINCIPAIS TIPOS DE FUNDO DE INVESTIMENTO

Antes da década de 60, os brasileiros investiam principalmente em ativos reais (imóveis), evitando aplicações em títulos públicos ou privados.

A um ambiente econômico de inflação crescente – principalmente a partir do final da década de 1950 – se somava uma legislação que limitava em 12% ao ano a taxa máxima de juros, a chamada Lei da Usura, também limitando o desenvolvimento de um mercado de capitais ativo.

Essa situação começa a se modificar quando o Governo que assumiu o poder em abril de 1964 iniciou um programa de grandes reformas na economia nacional, dentre as quais figurava a reestruturação do mercado financeiro quando diversas novas leis foram editadas.

Os fundos são o principal veículo de investimento no Brasil. Os ativos totais administrados pelos gestores de fundos atingiram R$ 1,6 trilhão no fim de 2010, e R$ 3,1 trilhões em abril de 2016, o que coloca o mercado brasileiro como um dos maiores do mundo.

O porte não é a única característica marcante desse mercado. Os administradores de fundos de investimento brasileiros estão entre os mais sofisticados do mundo, e a diversidade das carteiras não fica atrás de nenhum dos mercados mais desenvolvidos.

Fundos de renda fixa, de ações, dentre outros, permitem a todos os investidores traçar suas estratégias financeiras, independentemente do patrimônio e do perfil de risco.

Veja as características dos principais tipos de fundos de investimento.

 

Principais Tipos de Fundos de Investimento

TIPOS DE RISCOS

Risco único

Também designado por risco não sistemático, específico, residual ou diversificado, resulta dos perigos específicos a que uma empresa isolada, e talvez dos seus concorrentes mais próximos, está sujeita.

O risco único, inerente ao ativo em causa, pode ser eliminado através da detenção de uma carteira bem diversificada.

Risco de mercado

Risco de mercado, deriva de oscilações do próprio mercado, que por sua vez depende da “incerteza” da inflação, da política monetária, da política cambial, entre outras variáveis de difícil estimativa.

Risco político

A mudança de políticas de um país que podem pôr em risco os investimentos. Se refere a possibilidade de que o governo tome medidas adversas aos investimentos realizados.

Alterações em regulamentação e tributação são a forma mais comum e cotidiana de um governo local afetar negócios estrangeiros no país.

Risco das taxas de juro

Provém das variações das taxas de juro que são habitualmente inconstantes.

Risco de crédito

Risco de crédito se refere a uma possível incapacidade das instituições financeiras, responsáveis pela emissão dos ativos financeiros componentes da carteira, de honrarem seus compromissos financeiros assumidos com os investidores.

Essa situação pode ser causada por problemas financeiros oriundos de uma má administração ou gestão, dificuldades com planos econômicos, etc.

Esse problema também pode ocorrer com a própria entidade administradora do fundo de investimento.

Risco de país

É quando um país não consegue cobrir as suas obrigações financeiras.

Risco de câmbio externo

É quando as taxas de câmbio podem afetar ou até colocar em causa o investimento do país, causando um desequilíbrio econômico.

 

Fontes:

http://www.portaldoinvestidor.gov.br/menu/Menu_Academico/O_Mercado_de_valores_mobiliarios_brasileiro/Historia_Mercado-Capitais.html

http://cef.fgv.br/anuario

https://pt.wikipedia.org/wiki/Fundo_de_investimento

 


Compartilhar